Medicina do esporte: eficiência médica para melhoria esportiva

8 minutos de leitura
ISMD
por ISMD

O esporte faz parte da vida dos brasileiros. No entanto, o que não faz parte de nossa cultura é a prevenção de lesões. Na medicina do esporte isso não é diferente. Muitos atletas e praticantes de atividade física só procuram o especialista quando sofrem lesões. 

O que passa despercebido para muitos é que a prevenção melhora a eficiência e o desempenho físico. Afinal, o esforço deixa o corpo vulnerável, aumentando as necessidades de cuidados. Assim, seja para aumentar seu potencial, seja para recuperação, o médico do esporte é ideal para cuidar da saúde de atletas.

Ao longo deste artigo, você vai entender a importância desse profissional e como esse ramo da Medicina tem evoluído. 

Confira!

Por que falar em medicina do esporte

A medicina do esporte tem hoje seu espaço reconhecido, mas nem sempre foi assim.

Essa especialidade tem como objeto de estudo a relação entre exercícios físicos, esportes e saúde. Essa equação pode envolver um atleta profissional ou não. Em todos os casos, o foco será a melhora do desempenho individual.

Por outro lado, é dever do médico do esporte respeitar as limitações de cada atleta e entender suas necessidades individuais.

A evolução da especialidade

Muita gente diz que essa é a medicina do milênio. Mas seu campo de atuação é quase tão antigo quanto a própria prática de atividades físicas. Exercitar-se é inerente ao ser humano. Você consegue imaginar a sobrevivência da nossa espécie sem as lutas, caçadas e resistência física? Não!

Exatamente por isso, a medicina do esporte tem raízes antigas em países como China, Egito e Índia e sua “origem” data de mais de dois mil anos. Dando sequência, o advento dos Jogos Olímpicos abriu portas para as ditas Artes Ginásticas.

Essa arte esportiva foi evoluindo o campo da medicina esportiva, que ganhou sua primeira Associação de Medicina do Esporte em 1912, na Alemanha. Em 1928, a projeção foi internacional com a fundação da Federação Internacional de Medicina do Esporte (FIMS), reunindo médicos de mais de 11 países. 

Posteriormente, a Segunda Guerra Mundial trouxe reflexões e avanços com o desenvolvimento de pesquisas sobre força, velocidade e biometria. No Brasil, o maior contato com a área começou com o interesse em solucionar um problema. Tratava-se de como evitar problemas de saúde para os alunos que têm aula de educação física? 

Na tentativa de responder essa pergunta, o governo promulgou a Lei 1.212, de 17 de abril de 1939. Ela instituiu o currículo para o curso de médico especializado em educação física. 

A partir daí, o Governo passou a aproveitar o sucesso crescente da Seleção Brasileira de Futebol. O time estimulou a propaganda Esporte e Saúde e o número de médicos interessados em trabalhar com atletas aumentou. 

Atualmente, quem promove essa especialidade oficialmente é a Sociedade Brasileira do Exercício e do Esporte. Esse ramo nunca foi tão necessário e, por isso, achamos importante destacar seus campos de atuação e objetos de estudo.

A medicina esportiva como área de conhecimento

Como mencionamos, a medicina esportiva é uma especialidade médica que atua na relação entre atividade física e saúde

  • Como área de conhecimento, o foco pode ser:
  • o tratamento de lesões,
  • orientações para a prática da atividade física,
  • sobre hábitos de vida saudáveis,
  • avaliações físicas completas,
  • pesquisas na área,
  • entre outros. 

Campo de atuação do profissional

Em relação ao campo de atuação do profissional, José Luiz Runco trouxe algumas das oportunidades no mercado de trabalho. Ele é médico ortopedista e já chefiou a equipe médica responsável pela Seleção Brasileira de Futebol.

De acordo com entrevista concedida ao Guia do Estudante, o médico afirmou que “o profissional do esporte pode trabalhar em clubes, academias e mais uma infinidade de lugares”. 

Para ele, “sempre haverá emprego, principalmente se você tiver disponibilidade de sair dos grandes centros”. Além disso, ele acredita que “para você se destacar, tem que reservar muito tempo aos estudos”.

Apesar de ser o aliado de grandes profissionais, é importante ressaltar que o campo de atuação não se restringe apenas a atletas de alto rendimento. Ao contrário, qualquer pessoa que pratica atividade física.

Qual é o currículo de um médico do esporte?

José Luiz Runco fala sério quando diz que o tempo de estudo na área é importante. Durante a especialização, o aluno estudará temas como:

  • fisiologia do exercício — bioenergética;
  • fisiologia do exercício — fadiga e contração muscular;
  • cineantropometria e avaliação funcional integrada;
  • medidas antropométricas;
  • suplementação nutricional do esporte;
  • sistema endócrino;
  • medicina do esporte na infância e na adolescência;
  • medicina do esporte no idoso.

Essas são algumas das matérias abordadas, mas caso tenha interesse em saber mais, confira outras informações sobre nosso curso de pós-graduação em Medicina do Esporte.

Além das disciplinas acima, o ISMD abrange todas as exigências para a prova de título da TEME (Título de Especialista em Medicina Esportiva).

Fora isso, sabemos que a estrutura curricular é importante, mas também é fundamental que a prática médica seja pautada em uma boa relação entre o profissional e o atleta. 

Médico e paciente: uma relação de evolução conjunta

Seja no tratamento de uma lesão, na busca por melhor desempenho ou pela transformação do corpo, os casos da medicina esportiva envolvem histórias de superação e muito diálogo.

Novos tratamentos, abordagens e mudanças de hábito são discutidas. Em todos os casos, existe o interesse em uma melhora do paciente e o médico tem papel fundamental nesse processo. 

Se por um lado ele contribuirá com a evolução positiva da pessoa, por outro o médico também está em um processo constante de melhoria profissional — afinal, a medicina está evoluindo o tempo todo. 

Exemplos práticos dessa relação são as transformações corporais radicais as quais alguns atores se submetem. Quando vão assumir um novo papel, muitas vezes eles passam pelo desafio de assumir um novo tipo físico.

Um caso interessante é o do ator Christian Bale: ele já apareceu com vários tipos físicos nas produções hollywoodianas. Já observamos o ator com um porte atlético, outro magérrimo e até mesmo bem acima do peso.

São transformações bruscas para o corpo e, portanto, é um caso prático em que o acompanhamento de um médico esportivo é imprescindível para que a saúde seja mantida.

Um desafio nessa relação

Para além das telas, mudar a forma física é um dos grandes motivos que levam o paciente ao médico esportivo. Em um mundo extremamente conectado, o acesso a todo e qualquer tipo de informação pode ser um desafio para o profissional. Deve-se ter muito cuidado com o “Dr. Google”. (retirar essa frase em azul)

O médico deve ater-se às boas práticas e orientar o paciente da melhor maneira possível e educar seus pacientes. Nesse sentido, uma postura ética é fundamental. Essa é apenas uma das consequências do avanço tecnológico, mas esse processo também tem outras influências no futuro da profissão, como veremos a seguir.

Medicina do esporte: o que esperar dessa especialidade

O avanço da tecnologia tem impactado a medicina como um todo. Veja o caso da medicina esportiva ortopédica. Podemos esperar o uso da ressonância magnética como uma prática diária e não como um último recurso. A evolução também tem ocorrido de modo a tornar os procedimentos cada vez menos invasivos. 

A artroscopia, por exemplo, têm proporcionado melhores diagnósticos e tratamentos. No campo das pesquisas, novos estudos nutricionais e fisiológicos também contribuem para melhores práticas. 

Como vimos, a medicina do esporte é o ramo que visa a eficiência médica para a melhoria esportiva. Este médico especialista atua juntamente ao paciente para extrair dele todo o seu potencial.

É uma área que não necessariamente envolve atletas profissionais. Toda e qualquer pessoa que estiver interessada na prática física — no que tange aos aspectos nutricionais ou físicos  — se beneficiará de uma consulta.

Entretanto, as melhores práticas andam junto a uma formação técnica de qualidade. A medicina esportiva passou por vários processos até se estabelecer como área de concentração de estudo e deve honrar essa posição. 

A Faculdade ISMD é referência em saúde e ensino e se mantém atualizada nas melhores práticas de mercado. Estamos preparados e devidamente equipados para proporcionar a melhor formação profissional possível.

Conheça nossa pós-graduação em medicina do esporte e aposte numa formação de ponta com o que há de melhor na área.

Saiba tudo que acontece no ISMD!

Fazemos envios semanais com dicas e materiais gratuitos