Gestão de recursos humanos: princípios, práticas e inovação

10 minutos de leitura
ISMD
por ISMD

O corpo humano é uma máquina perfeita. Mas sem os devidos cuidados a saúde vai embora. Braços, pernas, tronco, tudo tem que estar em harmonia. Da mesma forma funciona uma empresa. E a principal responsável pelo seu sucesso é a gestão de recursos humanos. 

Falar em gestão de recursos humanos é falar em como captar, desenvolver e reter o principal ativo das empresas: os colaboradores! Tudo isso faz parte do objetivo central dessa área da empresa: alinhar as políticas de RH com a missão organizacional.

Portanto, para entender a abrangência da área e a importância de ter um bom profissional de recursos humanos à frente de tudo, é necessário entender a história por trás do famoso RH.

A história por trás da gestão de recursos humanos

A Revolução Industrial trouxe consigo novos processos de manufatura. A produção, que antes era predominantemente artesanal, passou a ser caracterizada pela subordinação do trabalhador ao proprietário dos meios de produção. 

Nesse contexto, a necessidade de estruturar a relação empregador-empregado deu origem aos chamados “Recursos Industriais”. No entanto, o grande objetivo de cuidar desse setor era garantir a remuneração do trabalhador, para que este desse continuidade ao seu trabalho. 

Nessa época, não se pensava na qualidade de vida do funcionário. Dessa forma, não é difícil imaginar um cenário de pessoas exaustas. Afinal, passavam horas desempenhando um trabalho extremamente mecânico e padronizado.

Dessa forma, tal exaustão começou a ser motivo de preocupação para as empresas e, sobretudo, sindicatos. Afinal, funcionários cansados e desmotivados são menos produtivos.

O que move o ser humano?

Esse cansaço começou a instigar estudos sobre o que de fato move o trabalhador. E foi por volta de 1930 que a psicologia por trás do RH começou a apresentar melhores resultados. 

A experiência de Hawthorne mostrou que o incentivo financeiro não era o principal motivador do trabalhador. Na verdade, ele é altamente influenciado por  suas necessidades e tem melhor desempenho quando é valorizado.

Dessa forma, essa descoberta fez com que as organizações fossem forçadas a repensar os seus processos na seguinte direção: as relações com e entre os funcionários deveriam ser mais humanizadas.

Recursos organizacionais ou seres humanos?

Apesar de uma maior preocupação com a humanização, o ser humano continuava sendo pensado apenas dentro do ambiente organizacional. Porém, em um mundo cada vez mais globalizado e multidisciplinar, o capital humano não está restrito somente à ele. 

O trabalhador  se relaciona com o todo, não apenas um meio da empresa. Pensando nisso, o conceito de gestão de recursos humanos tornou-se mais abrangente, assim como sua atuação. 

Nesse novo conceito, a premissa é que o comportamento do funcionário é influenciado pela sensação de pertencimento ao grupo. Isso traz uma nova visão do homem enquanto trabalhador: ele não é apenas uma máquina. É um ser dotado de emoções e necessita de valorização e reconhecimento.

O que é gestão de recursos humanos, afinal?

Entendida a evolução histórica da área, fica mais fácil entender o que é a gestão de recursos humanos, de fato. É uma área intimamente relacionada à estratégia da empresa.

Hoje, gerir os recursos humanos vai além de remunerar quem oferece a mão-de-obra. Seu principal objetivo é o gerenciamento das relações humanas, tendo em vista os objetivos da organização e do trabalhador. 

Gestão de recursos humanos no Brasil

Cada país tem sua cultura e diversos fatores a influenciam, como a situação econômica de um país. Isso impacta diretamente o setor que cuida do capital humano. Em um cenário de crise econômica, de confiança e altos índices de desemprego, a sustentabilidade das organizações fica abalada. 

O  contexto para as empresas nacionais, por sua vez, é de contenção de gastos e manutenção da competitividade no mercado. Por outro lado, sabemos que equipes motivadas performam melhor e contribuem para a boa reputação da marca.

Então, como essas empresas podem manter, ao mesmo tempo, a qualidade de vida de seus funcionários e sua competitividade de mercado? Reforçando e empoderando seu RH!

Isso porque, uma vez que a gestão de recursos humanos forneça os insumos para o desenvolvimento de times de alto desempenho, a produção desse time será muito melhor.

Nesse sentido, é esse departamento que deve manter o engajamento em torno das metas e objetivos da instituição, pensando sempre na sustentabilidade do negócio.

Recursos Humanos: uma área em constante evolução

O cenário brasileiro por si só já é um desafio para os times de RH. Além de outras barreiras a serem superadas pelas equipes, como veremos a seguir.

Desafios da área

Existem algumas reflexões centrais que traduzem os desafios do RH. Entre elas, podemos citar:

  • resultados x qualidade de vida dos funcionários;
  • produção x aprendizado;
  • treinamento x custos;
  • uso de tecnologias no serviço x produtividade;
  • a grande questão: inovar ou não? 

O mundo está mudando e, portanto, não existem respostas definitivas a tais questões. As soluções devem acompanhar as novas demandas e uma delas é entender que outras áreas de conhecimento podem agregar valor ao time de recursos humanos. Entenda.

Interdisciplinaridade 

Ao longo dos anos, o marketing, a psicologia, a sociologia, a medicina, a fisioterapia, a economia e muitas outras áreas se tornaram verdadeiras amigas dos profissionais de RH.

Essa interdisciplinaridade traduz a necessidade de compreender outros aspectos do trabalhador, que é o maior cliente interno da organização.

Dessa forma, para lidar com esse ser que pensa e tem anseios, a gestão de recursos humanos vem aprimorando seus processos internos e identificando sua verdadeira função organizacional estratégica: conquistar e manter pessoas qualificadas e motivadas nas empresas.

Portanto, aqui podemos mencionar o óbvio, mas que em muitos negócios não é uma prática: gerir pessoas vai muito além da realização de tarefas burocráticas. 

Departamento pessoal X Recursos Humanos

O departamento pessoal é o responsável pela parte burocrática da relação de trabalho. É ele que se preocupa em garantir o cumprimento da legislação. 

Entre suas atribuições, temos: a elaboração da folha de pagamentos, o registro dos funcionários, os cálculos referentes a encargos trabalhistas, os processos demissionais, entre outros.

Já a gestão de recursos humanos ou gestão pessoal GRH é muito mais abrangente. Ela é responsável pela seleção e recrutamento de pessoal, treinamentos, palestras, políticas da empresa e ações que zelem pela boa relação colaboradores /empresa em geral.

RH 4.0

Vamos dar agora mais um passo na linha do tempo e nos posicionar na linha evolutiva do RH. A Quarta Revolução Industrial trouxe consigo impactos que também transbordaram no tema desta matéria. Assim, é natural  falar em uma nova fase: o RH 4.0

Afinal, o que é a Quarta Revolução?

A Quarta Revolução é aquela associada às inovações tecnológicas de controle e automação de processos, além da fusão de tecnologias entre si. Por exemplo, a sua geladeira é capaz de saber o que está faltando e direcionar o pedido para uma lista de compras virtual. 

Da mesma forma, o RH ganhou o desafio de atuar proativamente nas empresas. Hoje o profissional precisa conquistar talentos que vão além do mero trabalho cotidiano: é preciso trazer pessoas de sucesso. Tudo isso objetiva garantir a competitividade e a relevância da organização no mercado em que atua.

À título de curiosidade, aqui estão algumas tendências do RH 4.0:

  • menores jornadas de trabalho;
  • profissionais avaliados pela competência de execução das tarefas;
  • inteligência artificial;
  • gestão remota;
  • soluções na nuvem;
  • recursos online.

O profissional de Gestão de Recursos Humanos

Para o bom desempenho da área que cuida da gestão de recursos humanos, é fundamental a presença de um profissional ou de uma equipe qualificada. 

Pensando nisso, é interessante entender como se dá a formação do profissional de RH, em que áreas ele pode atuar e quais são as competências esperadas para o exercício da profissão.

Mercado e formação

Por ser uma área essencial para viabilizar a estratégia da empresa, o mercado está em alta para quem procura se especializar em Recursos Humanos. 

O campo de trabalho envolve empresas de diversos tamanhos e oferece oportunidades em instituições públicas e privadas, na indústria, no comércio e em empresas de consultoria.

Para quem quer se formar na área, a opção é a habilitação em Recursos Humanos, que formará profissionais capazes de definir estratégias de recrutamento e seleção, de desenvolver e gerenciar planos de carreira, de definir perfis profissionais e de avaliar a necessidade de novos colaboradores, como traz o Guia da Carreira.

Áreas de atuação

O profissional de RH tem ganhado cada vez mais espaço no mercado de trabalho, o que tem flexibilizado suas áreas de atuação. 

É possível atuar como Analista de Recrutamento e Seleção, como Analista de Cargos e Salários, Analista de Desenvolvimento Humano, Analista de Benefícios, Técnico de Segurança do Trabalho, Coordenador de Recrutamento e Seleção, Coordenador de RH, Business Partner, Gerente ou Diretor de RH. Aqui é possível ver detalhadamente cada atribuição das áreas de atuação específicas.

Atribuições do profissional de RH

Além de responsável pelo recrutamento e elaboração de planos de carreira, o gestor de RH também é responsável por motivar as equipes e promover ações que visam a qualidade de vida dos trabalhadores. Outras atribuições são:

  • gerenciar as políticas de recursos humanos;
  • garantir o treinamento e capacitação dos colaboradores;
  • promover a integração dos funcionários;
  • definir programas de benefícios;
  • monitorar o clima e satisfação da equipe;
  • mensurar os resultados da área de recursos humanos;
  • pensar em estratégias para garantir o bom clima organizacional.

Competências esperadas

Para que as funções acima sejam realizadas adequadamente, espera-se que o gestor apresente as competências necessárias. Entre elas podemos citar: iniciativa, liderança, inovação, boa gestão de tempo e boa comunicação, motivação, acessibilidade, organização, ética, capacidade de mediação e trabalho em equipe.

Apesar de algumas dessas competências serem desenvolvidas no cotidiano, o ensino de qualidade é essencial para garantir o desenvolvimento das demais, além da correta aplicação do conhecimento a casos práticos. 

Pensando nisso, a Faculdade ISMD firma o compromisso de formar profissionais competentes para o bom desempenho da área que cuida do RH, entendendo sua importância estratégica para a organização como um todo.

O curso superior de tecnologia em Gestão de Recursos Humanos do ISMD forma profissionais capacitados a desenvolver e potencializar o capital humano de uma empresa, preocupando com a qualidade de vida dos funcionários. Ao mesmo tempo, os profissionais estarão preparados para as mudanças de mercado, de modo a garantir a competitividade da empresa e a performance dos funcionários.

Venha para o ISMD e forme-se com excelência para o mercado de trabalho!

Saiba tudo que acontece no ISMD!

Fazemos envios semanais com dicas e materiais gratuitos